“Não seremos intimidados”: 200 médicos austríacos enfrentam autoridades de saúde autoritárias e sofrem sanções

“Os efeitos de longo prazo em períodos de mais de cinco anos são completamente desconhecidos. A alegada inofensividade, semelhante a um mantra, das novas vacinas vetoriais e de mRNA deve ser identificada como uma reivindicação protetora das grandes empresas farmacêuticas e como um conjunto de crenças de políticos austríacos (e mundiais) clinicamente ignorantes”, disse o autor de uma carta aberta.

Covid-19, “Não seremos intimidados”: 200 médicos austríacos enfrentam autoridades de saúde autoritárias e sofrem sanções

RIO DE JANEIRO, BRASIL – Mais de 200 médicos, três dos quais são professores universitários, estão respondendo a uma carta interna da Associação Médica Austríaca sobre as injeções de mRNA contra Covid com uma carta aberta.

Eles estão pedindo ao presidente da Associação Médica, Thomas Szekeres, que revogue ou renuncie o conteúdo de sua circular imediatamente.

Leia também: Confira nossa cobertura sobre informações alternativas em português

A declaração de Szekeres diz: “… com base nos dados disponíveis, de uma perspectiva científica, e de acordo com as recomendações do Painel Nacional de Imunização, não há essencialmente nenhuma razão para aconselhar os pacientes contra a vacinação da Covid-19.”

A carta também afirma que os médicos podem enfrentar ação disciplinar se aconselharem os pacientes contra as injeções da Covid e não seguirem as recomendações do Painel Nacional de Imunização.

A circular de Szekeres veio menos de um mês depois que a Áustria anunciou que a vacinação contra a Covid-19 será obrigatória para todos os cidadãos a partir do próximo ano, sob ameaça de multas ou prisão.

O Dr. Andreas Sönnichsen, ex-chefe do Departamento de Medicina Geral e Familiar do Centro de Saúde Pública de Viena MedUni e autor da carta aberta, diz que isso contradiz “qualquer ética médica e os princípios básicos da medicina centrada no paciente e baseada em evidências”, uma declaração com a qual os 36 signatários da carta aberta concordam, apontando para vários estudos científicos sobre as injeções da Covid.

Por meio da carta da associação médica, Szekeres “prejudicou permanentemente a reputação e a autoimagem” da profissão médica. Além disso, os médicos enfatizam que “não serão intimidados”, continuou Sönnichsen.

Covid-19, “Não seremos intimidados”: 200 médicos austríacos enfrentam autoridades de saúde autoritárias e sofrem sanções
Dr. Andreas Sönnichsen. (Reprodução de foto da internet)

Na semana passada, a “ICI – Iniciativa para Informações da Covid Baseadas em Evidências” – uma coalizão de médicos, advogados e cientistas críticos da política autoritária da Covid da Áustria – deu uma entrevista coletiva em Viena.

As críticas estão atualmente focadas na próxima vacinação obrigatória na Áustria. “Este é o maior escândalo médico de todos os tempos”, disse o Dr. Andreas Sönnichsen.

Ele critica a falta de dados para a vacinação obrigatória. “As vacinas altamente elogiadas falharam”, disse ele.

Além disso, no Reino Unido, a quarta onda de Covid é uma onda de pessoas vacinadas, continuou ele. “Hospitais e unidades de terapia intensiva estão cheios de pessoas vacinadas.” Um relato que o chefe do programa de vacina de mRNA de Oxford, Andrew Pollard, rejeitou em um editorial convidado para o jornal ‘The Guardian’ no final de novembro.

Para Sönnichsen, a Áustria está “trapaceando” ao simplesmente declarar as pessoas vacinadas sem certificado de vacinação e as pessoas vacinadas com mais de seis meses de vacinação como não vacinadas, para que as estatísticas pareçam mais como eles querem. “Depois que duas vacinações falharam, somos levados a acreditar que a vacinação de reforço ajuda sem qualquer alternativa”, disse Sönnichsen.

AS INJEÇÕES CONTRA COVID TÊM A MAIOR TAXA DE EFEITO COLATERAL DA HISTÓRIA DA MEDICINA

O médico forense, professor universitário a.o. Dr. Johann Missliwetz, também criticou a vacinação obrigatória. “É indiscutível que as quatro injeções de mRNA comumente usadas (BioNtech Pfizer; Astra Zeneca; Johnson & Johnson e Moderna) têm a maior taxa de efeitos colaterais de qualquer droga na história da medicina”, disse Missliwetz.

Mais de um milhão de eventos adversos foram registrados pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA) na UE e um milhão adicional pelo banco de dados do Sistema de Notificação de Eventos Adversos de Vacinas (VAERS) nos Estados Unidos, disse ele.

“O número de reações adversas relatadas às vacinas contra a Covid-19 só pode ser descrito como assustador”, afirma a carta aberta.

Covid-19, “Não seremos intimidados”: 200 médicos austríacos enfrentam autoridades de saúde autoritárias e sofrem sanções
Presidente da Associação Médica Austríaca, Thomas Szekeres (Reprodução de foto da internet)

Independentemente disso, essas vacinas são anunciadas na Áustria (e no mundo todo) como de baixo risco e seguras.

“Os efeitos de longo prazo em períodos de mais de cinco anos são completamente desconhecidos. A alegada inofensividade, semelhante a um mantra, das novas vacinas vetoriais e de mRNA deve ser identificada como uma reivindicação protetora das grandes empresas farmacêuticas e como um conjunto de crenças de políticos austríacos (e mundiais) clinicamente ignorantes”, diz a crítica.

DISCURSO CIENTÍFICO MORTO

A Dra. Maria Hubmer-Mogg, uma clínica geral, lamentou as represálias da associação médica. Como membro do comitê diretor do Conselho Mundial de Saúde, ela está em contato duas vezes por semana com cientistas de renome mundial que conduzem pesquisas sobre a Covid-19. “Como iniciadora do #wirzeigenunserGesicht (mostramos nossa cara), recebo mensagens todos os dias de colegas domésticos que receberam uma notificação disciplinar da associação médica por uma declaração sobre as vacinas infantis contra a Covid-19 na página inicial www.wirzeigenunsergesicht.org.”

Discussões de risco bem fundamentadas por colegas, baseadas em valores empíricos e dados de estudos de todo o mundo, aparentemente não são levadas em consideração, diz Hubmer-Mogg. Um discurso científico não ocorre mais. Não há outra explicação para a vacinação obrigatória planejada de crianças a partir dos 14 anos, disse ela.

PANDEMIA DOS VACINADOS

A pediatra Dra. Gabriela Thalhammer expressou particular preocupação com a vacinação de crianças e adolescentes, dizendo: “Este ano, muitas crianças, incluindo bebês, foram infectadas com Covid, mas apresentam cursos leves e geralmente estão saudáveis ​​novamente após 1-3 dias. Portanto, as crianças não têm benefícios com a vacinação.”

(Assista ao vídeo, Dr. Robert Malone, o inventor original das vacinas de mRNA e DNA)

Este também é o caso do enfermeiro intensivista Werner Möller, que trabalha na Alemanha há 30 anos e fundou a “Initiative Pflege für Aufklärung”: “Estou em contato com muitas clínicas, temos um aumento significativo de pacientes vacinados com evoluções graves na Alemanha ”, diz Möller.

Ele, portanto, vê uma “pandemia de vacinados”, simplesmente porque os vacinados estão convencidos de que são seguros e não podem ter evolução grave e são muito menos propensos a fazer o teste.

As pessoas não vacinadas, por outro lado, costumam ser muito mais cautelosas, prestam atenção à higiene e precisam ser examinadas com mais frequência, disse ele. “Os políticos querem nos impor uma narrativa de medo”, disse Möller.

AMEAÇADO COM SANÇÕES

Desde a publicação da carta, Sönnichsen e os 200 signatários foram demonizados na grande mídia austríaca como “negadores da Covid”, embora nenhuma linha na carta questione a existência da Covid-19 ou a pandemia da Covid-19.

Em uma entrevista coletiva realizada em 16 de dezembro logo após a publicação da carta, Andreas Huss, presidente da ÖKG, a seguradora de saúde pública da Áustria, ameaçou os assinantes da carta e quaisquer médicos que defendam opiniões semelhantes com sanções severas, como acusações criminais, demissão ou revogação de seus contratos de seguro saúde.

Há uma proibição de expressão e nenhuma liberdade de expressão neste país, mas sim conformidade obrigatória com a ameaça de severas sanções disciplinares.

Huss disse ter “pouca simpatia” pelos médicos que se opõem às vacinas da Covid-19 porque acredita que a vacinação é “a única maneira de sair da pandemia.”

Em outra entrevista coletiva no dia anterior, Sönnichsen discordou, chamando a campanha de vacinação de “o maior escândalo médico da história.”

“Finalmente, a tão alardeada vacinação falhou”, disse ele. “A quarta onda é uma onda de vacinados. Os hospitais e unidades de terapia intensiva estão lotados de pessoas vacinadas.”

“Os médicos que contradizem a narrativa do governo enfrentam multas de até 36.340 euros, uma proibição profissional devastadora e, além disso, a remoção do registro médico,” lamentou Johann Missliwetz.

NÃO SERÃO INTIMIDADOS

Apesar dessas ameaças, Sönnichsen e os 200 signatários da carta instaram Szekeres a retirar ou renunciar à sua declaração de 2 de dezembro, garantindo-lhe que “não serão intimidados por você ou qualquer outro oficial de saúde com ideias semelhantes”.

“Continuaremos a invocar a Declaração de Genebra e exigir a liberdade de tratamento médico, [e] continuaremos a tratar nossos pacientes com o melhor de nossa capacidade”, disseram eles, acrescentando que “trabalharão com cada paciente individualmente para determinar se ou não a vacinação com Covid 19 é apropriada. ”

De acordo com a ORF (emissora de serviço público nacional austríaco), por causa de sua posição sobre as vacinas da Covid e o não cumprimento das medidas da Covid, Sönnichsen já foi demitido do Departamento de Medicina Geral e Familiar do Centro de Saúde de Viena.

A proibição do discurso é rigorosamente aplicada na Áustria. Qualquer pessoa que conheça este país e sua história não duvidou em primeiro lugar.

Junte-se a nós no Telegram: t.me/theriotimes