Mais de 90% dos casos de “Ômicron” na Dinamarca são indivíduos vacinados, mostram dados do governo

Os não vacinados, cerca de um quinto da população dinamarquesa, foram responsáveis por apenas 8,5 por cento das infecções por Ômicron.

casos de Ômicron, Mais de 90% dos casos de “Ômicron” na Dinamarca são indivíduos vacinados, mostram dados do governo

RIO DE JANEIRO, BRASIL – Praticamente todos os casos de Ômicron na Dinamarca foram relatados em indivíduos vacinados, a maioria dos quais estava “totalmente vacinada”, mostram novos dados do governo dinamarquês.

Setenta e nove por cento dos dinamarqueses que contraíram Ômicron até 15 de dezembro foram totalmente vacinados. Isso de acordo com um relatório divulgado na terça-feira pelo Statens Serum Institut (SSI), um ministério da saúde dinamarquês que rastreia as variantes suspeitas da COVID-19.

Das 17.767 infecções por Ômicron (de acordo com 15 de dezembro) registradas na Dinamarca desde que o primeiro caso foi relatado em 22 de novembro, mais de 14.000 ocorreram entre pessoas com vacinação dupla.

Aqueles que receberam vacinação de reforço representaram outros 10,6% dos casos da nova variante, e os injetores de dose única representaram outros 1,8%. Os não vacinados, cerca de um quinto da população dinamarquesa, foram responsáveis por apenas 8,5 por cento das infecções por Ômicron.

casos de Ômicron, Mais de 90% dos casos de “Ômicron” na Dinamarca são indivíduos vacinados, mostram dados do governo
Serum Institut Report, página 8. (Reprodução de foto da Internet)

Indivíduos vacinados também responderam por casos de outras cepas suspeitas de COVID-19. Mais de três quartos dos dinamarqueses que contraíram Delta ou outra variante além da Ômicron entre 22 de novembro e 15 de dezembro receberam pelo menos uma dose, e 73% receberam uma vacina ou todo o tratamento, de acordo com dados do ISS.

Na Dinamarca, 77,6% da população estava “totalmente vacinada” no domingo, incluindo 35% dos residentes que receberam a terceira dose desde que o país escandinavo começou a distribuir doses de reforço para o público em geral no mês passado.

Consistente com a narrativa e dados oficiais, a Dinamarca tem atualmente uma das taxas de infecção mais altas do mundo e a segunda maior taxa de Ômicron da Europa, atrás do Reino Unido, que tem taxas de vacinação semelhantes e uma taxa de dose de reforço ainda maior.

Pesquisadores do governo dinamarquês reconheceram que a vacinação não oferece proteção adequada contra a suposta variante Ômicron, e algumas análises sugerem que ela aumenta o risco de contraí-la.

Os especialistas também alertaram que um aumento acentuado nos casos irruptivos pode indicar “pecado antigênico primordial“, que ocorre quando a vacinação resulta na incapacidade de gerar uma resposta imunológica eficaz a uma variante viral, levando a piores resultados de saúde para os vacinados.

No entanto, a COVID-19 é uma doença tratável para a grande maioria das pessoas e a Ômicron, até agora, parece ser menos letal do que as “cepas” anteriores.

De acordo com o ISS, apenas 0,6% dos dinamarqueses com Ômicron foram hospitalizados desde 22 de novembro, em comparação com 1,6% para outras variantes durante o mesmo período.

No entanto, o governo dinamarquês respondeu com severas restrições no Natal: cinemas e outras instalações públicas foram fechados, cartões de vacinação são exigidos para ônibus e trens e a vacinação de crianças entre 5 e 11 anos está sendo intensificada.

As vacinas de reforço estarão disponíveis para dinamarqueses com 40 anos ou mais, 4,5 meses após a segunda dose.

Notavelmente, a Dinamarca suspendeu todas as medidas COVID em setembro e saudou a vacinação como a saída para a pandemia. “A epidemia está sob controle; temos uma taxa de vacinação recorde”, disse Heunicke na época.