Covid-19: Um estudo norueguês recente aponta a ligação entre as injeções de mRNA e alteração menstrual

Mulheres entre 18 e 30 anos que participaram de um grande estudo populacional conduzido pelo NIPH neste ano relataram um aumento na incidência de alterações menstruais. "Muitas mulheres relataram menstruações mais pesadas do que o normal após a primeira e a segunda doses da vacina", disse o estudo divulgado esta semana.

Covid-19, Covid-19: Um estudo norueguês recente aponta a ligação entre as injeções de mRNA e alteração menstrual

RIO DE JANEIRO, BRASIL – De acordo com estudo do Instituto Norueguês de Saúde Pública (NIPH), as mulheres jovens estão experimentando alterações na menstruação, incluindo sangramento mais intenso, após receberem a primeira e a segunda doses contra o SARS-CoV-2.

Mulheres entre 18 e 30 anos que participaram de um grande estudo populacional conduzido pelo NIPH neste ano relataram um aumento na incidência de alterações menstruais. “Muitas mulheres relataram períodos mais pesados do que o normal após a primeira e a segunda doses da vacina”, disse o estudo divulgado esta semana.

Leia também: Confira nossa cobertura sobre informações alternativas em português

Enquanto cerca de 7,6% das participantes experimentaram sangramento mais intenso antes da vacinação, o número de mulheres relatando períodos mais intensos após a primeira dose aumentou para 13,6%. Após a segunda dose, aumentou ainda mais para 15,3%.

Covid-19, Covid-19: Um estudo norueguês recente aponta a ligação entre as injeções de mRNA e alteração menstrual
Um estudo norueguês recente aponta para uma ligação entre as injeções de mRNA e alteração menstrual. (Reprodução de foto da internet)

As alterações após a primeira dose são “transitórias”, de acordo com o estudo, que afirma que o sangramento voltou aos níveis normais cerca de dois a três meses após a injeção.

No entanto, entre as mulheres que experimentaram alterações após a primeira injeção, quase duas em cada três relataram novamente após a segunda dose.

A líder do projeto NIPH, Lill Trogstad, observou que as mudanças menstruais são “generalizadas” em geral, mas as taxas aumentaram após a vacinação. Trogstad disse que as descobertas iniciais exigiam uma análise mais aprofundada para esclarecer se a menstruação é afetada pelas vacinas. Os resultados ainda não foram revisados ​​por pares.

O NIPH acrescentou perguntas sobre as mudanças na menstruação a vários estudos nacionais em andamento após os relatórios iniciais de tais possíveis efeitos colaterais terem sido recebidos no início deste ano.

Mais de 60.000 mulheres entre 12 e 80 anos participaram de pesquisas sobre a associação entre várias alterações menstruais e a vacinação contra Covid.

O ex-vice-presidente da Pfizer, Dr. Michael Yeadon, alerta novamente sobre as injeções de mRNA para Covid e o “risco grave” de infertilidade para as mulheres.

Com base nas descobertas em mulheres jovens, foi recomendado “atrasar as injeções até que a causa seja investigada ou os sintomas tenham passado”.

Após a publicação deste estudo, o regulador de medicamentos da UE disse que os distúrbios menstruais potencialmente causados ​​pelas injeções exigem mais investigação antes que uma ligação conclusiva seja estabelecida, relata a Reuters.

O chefe de farmacovigilância da Agência Europeia de Medicamentos, Georgy Genov, disse que outros testes são necessários “para determinar isso completamente”.

Inúmeros relatos de mudanças na menstruação das mulheres após as injecções da Covid foram relatados anteriormente. Ainda assim, vários pesquisadores ousaram sugerir que eles podem ter sido coincidentes ou atribuídos ao estresse durante a pandemia.

Junte-se a nós no Telegram: t.me/theriotimes