No menu items!

Covid-19: Gigantes farmacêuticos, Gates, Fauci e funcionários do Reino Unido acusados de crimes contra a humanidade em queixa do Tribunal Penal Internacional

RIO DE JANEIRO, BRASIL – Oficiais do Reino Unido e as figuras mais poderosas da saúde do mundo são acusados de genocídio, citando uma série de estatísticas sobre os efeitos de “vacinas” e políticas impostas sob o pretexto de ‘mitigar a COVID’.

Leia também: Confira nossa cobertura sobre informações alternativas em português

Um grupo, incluindo o ex-vice-presidente da Pfizer, Dr. Michael Yeadon, entrou com uma queixa no Tribunal Penal Internacional (ICC) em nome de cidadãos do Reino Unido contra Boris Johnson e funcionários do Reino Unido, Bill e Melinda Gates, CEOs de grandes empresas farmacêuticas, presidente executivo do Fórum Econômico Mundial Klaus Schwab e outros por crimes contra a humanidade.

sobre vacinas, Covid-19: Gigantes farmacêuticos, Gates, Fauci e funcionários do Reino Unido acusados de crimes contra a humanidade em queixa do Tribunal Penal Internacional
Tribunal Penal Internacional, Holanda (Reprodução de foto da internet)

O grupo do Reino Unido, um astrofísico, e um agente funerário foram indiciados.

  • Dr. Anthony Fauci;
  • Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS);
  • June Raine, diretora executiva da Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde (MHRA);
  • Dr. Radiv Shah, presidente da Fundação Rockefeller; e
  • Dr. Peter Daszak, presidente da EcoHealth Alliance, como “responsável por inúmeras violações do Código de Nuremberg … crimes de guerra e crimes de agressão” no Reino Unido e em outros países.

Depois de repetidas tentativas infrutíferas de levar um caso ao sistema judiciário inglês, os demandantes recorreram a pedir com “a máxima urgência” que o ICC “parasse a distribuição de vacinas da COVID, a introdução de passaportes de vacinação ilegais e todos os outros tipos de guerra ilegal … sendo travados contra o povo do Reino Unido. ”

A reclamação do grupo apresentada em 6 de dezembro apresenta evidências de que as “vacinas” da COVID-19 são terapias genéticas experimentais projetadas com pesquisas de ganho de função do coronavírus de morcego, argumentando que essas “vacinas” causaram mortes e lesões em massa e que o governo do Reino Unido falhou para investigar tais fatalidades e lesões relatadas.

  • que o número de casos e mortes de COVID foram artificialmente inflados; que as máscaras são prejudiciais por hipóxia, hipercapnia e outras causas;
  • e os testes de PCR são “completamente não confiáveis” e “contêm óxido de etileno cancerígeno”.

Além disso, eles argumentaram que os tratamentos eficazes para COVID-19, como hidroxicloroquina e ivermectina, foram suprimidos, resultando em um número mais significativo de mortes por COVID-19 do que deveria.

Eles argumentam que os bloqueios foram decretados sob o pretexto de infecção e número de mortes inflados artificialmente por um vírus modificado, bem como as “vacinas” experimentais que resultaram em:

  • Dano massivo a curto prazo e morte, com pelo menos 395.049 reações adversas relatadas às “vacinas” da COVID apenas no Reino Unido;
  • um aumento acentuado nas chamadas da ChildLine de crianças vulneráveis ​​durante bloqueios;
  • “Destruição de riqueza e negócios” por meio de lockdowns impostos”
  • “Grave privação de liberdade física em violação das regras fundamentais do direito internacional”, incluindo a proibição de viagens e reuniões, quarentena forçada e auto-isolamento;
  • apartheid devido à segregação por posse de passaporte de vacinação;
  • e “redução esperada de infertilidade” após a “vacinação”, entre outros efeitos físicos e psicológicos prejudiciais.

Além disso, os peticionários afirmam que “a supressão de tratamentos alternativos seguros e eficazes para a COVID-19 equivale a assassinato e justifica uma investigação completa pelo tribunal.”

Eles observaram que, além da censura de informações e promoção online desses tratamentos alternativos, “alguns periódicos acadêmicos estão bloqueando a publicação de estudos que demonstram a eficácia de drogas como ivermectina e hidroxicloroquina.”

Os peticionários também citaram citações de sobreviventes do Holocausto que traçaram “fortes paralelos entre as restrições da COVID e o início do Holocausto.”

Em uma carta aberta, os sobreviventes do Holocausto pediram às autoridades regulatórias médicas que “parem imediatamente com essa experiência médica profana na humanidade”, que eles alegam que viola o Código de Nuremberg.

Eles até alegam que “diante de nossos olhos, outro holocausto de maior magnitude está ocorrendo”. Uma sobrevivente, Vera Sharav, observou em uma entrevista citada na denúncia:

“A dura lição do Holocausto é que sempre que os médicos unem forças com o governo e se desviam de seu compromisso pessoal, profissional e clínico para não prejudicar o indivíduo, a medicina pode se transformar de uma profissão de cura e cuidado em um instrumento assassino.”

“O que distingue o Holocausto de todos os outros genocídios em massa é o papel central desempenhado pela instituição médica, toda a instituição médica. O estabelecimento médico acadêmico e profissional apoiou todas as etapas do processo assassino.

Médicos e prestigiosas sociedades e instituições médicas emprestaram o verniz de legitimidade ao infanticídio, o assassinato em massa de civis”.

Segundo os peticionários, todas as consequências nefastas das “vacinas”, do confinamento e do vírus cumprem os critérios de genocídio, crimes contra a humanidade e crimes de guerra contra o povo britânico, porque os culpados “membros do governo do Reino Unido e os líderes mundiais têm conhecimento e intenção com relação a esses supostos crimes.”

Na verdade, eles argumentam que as consequências destrutivas de “vacinas”, bloqueios e vírus modificados são tentativas deliberadas de despovoamento e desestabilização social como parte de um plano coordenado globalmente para consolidar riqueza e poder nas mãos de poucos.

Portanto, eles argumentam que essas medidas também constituem um “crime de agressão”, ou seja, o esforço “para efetivamente exercer o controle ou dirigir a ação política ou militar de um Estado”.

Neste caso, afirmam, o objetivo é “desmantelar todos os Estados-nação democráticos, passo a passo”, e “destruir as pequenas e médias empresas, transferindo quotas de mercado para as maiores corporações”, pertencentes aos ultra-ricos, para dar a este grupo de “elite” maior controle político e monetário.

Baixe a reclamação de 46 páginas aqui

Junte-se a nós no Telegram: t.me/theriotimes

Check out our other content