No menu items!

Opinião: Crises de saúde, regimes autoritários e hiperinflação – o Grande Reset está chegando

regime, Opinião: Crises de saúde, regimes autoritários e hiperinflação – o Grande Reset está chegando

RIO DE JANEIRO, BRAZIL – (Opinião) O presidente americano Franklin Roosevelt disse certa vez que nada na política acontece por acaso. Quando algo acontece, você pode apostar que foi planejado para acontecer.

Quando você observa o que aconteceu nos últimos 18 meses, esta frase se torna particularmente assustadora. Pode ser que tudo o que vivemos tenha sido planejado?

A situação em que nos encontramos atualmente é única na história da humanidade. Nunca antes o mundo inteiro foi submetido a um regime de coerção tão global como no tempo atual.

E nunca antes foram tomadas tantas medidas, que à primeira vista parecem tão incompreensíveis, às vezes tão disparatadas, e muitas vezes tão contraditórias. Oficialmente, estamos enfrentando a mais grave crise de saúde desde que há memória. Mas as medidas tomadas contra ela não melhoraram a situação, mas pioraram-na continuamente.

regime, Opinião: Crises de saúde, regimes autoritários e hiperinflação – o Grande Reset está chegando
O mundo como o conhecemos está prestes a deixar de existir? (Foto reprodução da internet)

Qualquer médico pode confirmar que a saúde da maioria das pessoas está pior hoje do que estava antes da crise. E mesmo do ponto de vista daqueles que ordenaram as medidas, enfrentamos a desordem. A suposta ameaça de uma quarta onda e o anúncio da necessidade da terceira, quarta e quinta vacinação mostram que as medidas tomadas até agora falharam completamente em conter a doença.

Mas isso não é tudo. Como resultado dos bloqueios, estamos atualmente enfrentando uma grave crise econômica global. A produção está em baixa em todo o mundo; a logística está em baixa, as cadeias de abastecimento estão quebradas, temos falhas nas colheitas, escassez de alimentos e escassez de semicondutores que são vitais para grandes partes da economia.

Mas mesmo nesta área, em vez de serem tratados e resolvidos, vemos os problemas multiplicados e ampliados pela imposição de novas medidas e pela constante ameaça de novas restrições.

O exemplo mais recente: na China, um porto de carga no terceiro maior porto do mundo foi fechado por causa de um teste positivo entre os trabalhadores portuários.

Ou na Nova Zelândia: não faz muito tempo, 5 milhões de pessoas foram gravemente confinadas por três dias porque um único indivíduo de 58 anos de idade testou positivo.

Outra crise afeta a classe média, que cria mais empregos no mundo inteiro e suporta a maior carga fiscal. A classe média está sendo espremida cada semana com mais força pela incerteza incessante e constantes novas regulamentações e nunca esteve em uma crise tão profunda como a atual.

Mas mesmo isso não é tudo. Estamos testemunhando um aumento maciço da inflação em todo o mundo, especialmente em mercadorias, preços ao produtor e alimentos. Mas também aqui não estão sendo tomadas contramedidas; pelo contrário, o aperto monetário continua e se intensifica.

Desde o início da crise, os estados e bancos centrais injetaram quase US$ 20 trilhões no ciclo monetário global sem fim à vista. E o Fundo Monetário Internacional (FMI), a organização financeira mais poderosa do mundo, emitiu recentemente DSEs (Direitos de Saque Especiais) no valor de US$650 bilhões, a quantia mais significativa de sua moeda.

A situação social não é melhor. Apenas um exemplo: nos EUA, o país economicamente mais robusto do mundo, quase 4 milhões de pessoas estão ameaçadas de despejo porque não podem pagar seus aluguéis ou pagar seus empréstimos à habitação. E mais de dez vezes esse número de pessoas não conseguem se sustentar com sua renda – lembre-se, os Estados Unidos são o país mais rico do mundo.

(Vídeo de Tim Gielen, NL)

Além disso, a quebra deliberada da economia e o aumento da inflação conseguiram agora algo absolutamente sem precedentes: uma divisão internacional da população nunca antes experimentada.

Até certo ponto, um aspecto de tudo isso é a mudança de poder no Afeganistão, que foi deliberadamente provocada pelos EUA. Os Talibãs foram dotados de material militar no valor de US$ 20 bilhões, uma força aérea completa e 11 bases aéreas, o que certamente desencadeará a próxima grande onda de refugiados.

POR QUÊ?

Por que estão sendo tomadas medidas em todo o mundo que estão criando um desastre atrás do outro e arrastando a maioria das pessoas para o abismo cada vez mais profundo, em vez de tirá-las de sua miséria? Para responder a esta pergunta, é preciso fazer mais duas perguntas: quem tem interesse nesta agenda global? E quem se beneficia com isso?

A resposta a ambas as perguntas é clara. O maior beneficiado da crise atual e o principal mentor por trás dos bastidores é o complexo digital-financeiro. Em outras palavras, uma espécie de comunidade de interesses encabeçada pelas maiores empresas de T.I. e pelos maiores gestores de ativos de nosso tempo.

As maiores empresas de T.I. incluem a Apple, Alphabet (a empresa-mãe da Google), Amazon, Microsoft e Facebook. O valor de mercado dessas cinco empresas é atualmente de incríveis US$9,2 trilhões. Apenas para comparação, o produto interno bruto combinado da Alemanha, França e Itália é de US$8,6 trilhões.

Além destas empresas digitais, há também os grandes gestores de ativos. Nomeadamente Blackrock, Vanguard, State Street, e Fidelity. Todos eles têm participações significativas em todas as empresas de T.I. e muito mais. Atualmente, só estas quatro administram um total de 18 trilhões de dólares.

Novamente para comparação: o produto interno bruto (PIB) de todos os 28 estados da União Europeia foi de US$15,7 trilhões no ano passado. Mas não é apenas o imenso poder financeiro dessas empresas que torna o complexo financeiro digital tão poderoso.

Tomemos primeiro as empresas de tecnologia da informação. Elas próprias não só têm um enorme poder de mercado, mas também controlam centenas de milhares de outras empresas porque organizam sua digitalização e, portanto, têm uma perspetiva constante do seu fluxo de dados.

A indústria de T.I. tem se metastizado em todos os setores da economia ao longo dos últimos anos, tornando-os dependentes dela e agora os dominando completamente.

A situação não é diferente para as empresas de gestão de ativos. Elas estão envolvidas em todas as grandes empresas do mundo e são capazes de mover qualquer mercado do mundo em qualquer direção. A maior delas, Blackrock, tem o maior repositório de informações financeiras que o mundo já viu, com seu sistema de análise de dados Aladdin com mais de 40 anos.

Blackrock usa este conhecimento como base para aconselhar os maiores bancos centrais do mundo, ou seja, a Reserva Federal nos EUA e o Banco Central Europeu (BCE). Com a enorme vantagem de informação que Blackrock tem desta forma, deve ficar claro quem depende de quem aqui.

Estamos, portanto, lidando com uma mistura historicamente única de poder financeiro concentrado e o poder de disposição sobre uma quantidade inimaginável de dados. Desde o início da crise, esta combinação tem dado às empresas um impulso como nunca antes.

regime, Opinião: Crises de saúde, regimes autoritários e hiperinflação – o Grande Reset está chegando
QG da Apple no Vale do Silício (Foto reprodução da internet)

E não apenas isso. Esta ascensão está acelerando continuamente. Somente no último trimestre, ou seja, em abril, maio e junho deste ano, estas empresas apresentaram os maiores lucros de toda a sua história. Diante destes fatos, não é preciso muita imaginação para concluir que o complexo digital-financeiro é a casa de força global em torno da qual tudo gira.

O complexo digital financeiro está muito acima de todos os governos e é capaz de colocar qualquer gabinete do mundo de joelhos e torná-lo complacente a qualquer momento. Entretanto, é preciso se perguntar ainda mais sobre os métodos com os quais o complexo digital-financeiro vem trabalhando desde o início da crise atual.

Até parece que o complexo está minando o próprio sistema do qual ele lucra. Aqui estão apenas alguns exemplos.

O COMPLEXO DIGITAL-FINANCEIRO

Se o complexo digital-financeiro destrói a classe média, então ele está realmente destruindo seu próprio sustento. Porque, como acabamos de ressaltar, a classe média paga mais impostos e cria mais empregos. E se então ela alimenta a inflação, isso também prejudica o complexo. E se destrói a paz social através da explosão da desigualdade social, então também destrói o terreno sobre o qual faz negócios.

Todas estas são objeções justificadas, mas não se percebem a realidade.

A realidade é esta. O complexo digital-financeiro não tem escolha a não ser fazer o que está fazendo atualmente. O que estamos testemunhando atualmente não é uma agenda de escritório para adquirir ainda mais dinheiro e poder e depois desfrutar os frutos de seus esforços em paz.

O que estamos testemunhando atualmente é um gigantesco ato de desespero. Provavelmente o maior de todos os tempos em toda a história da humanidade. Este ato de desespero tem origem no fato de que o sistema ao qual o complexo financeiro digital deve sua existência não pode mais ser mantido vivo através dos meios anteriores.

Ele já estava à beira de seu fim na crise financeira mundial de 2007/2008. Se os governos não tivessem mobilizado grandes quantidades de dinheiro dos contribuintes naquela época e instruído os bancos centrais a criar grandes quantidades de dinheiro a partir do nada, o sistema teria entrado em colapso.

Entretanto, o resgate foi apenas temporário. A oferta de dinheiro teve que ser continuamente aumentada durante um período de 12 anos e as taxas de juros tiveram que ser reduzidas vezes sem conta. Em outras palavras, o sistema tinha que se tornar mais e mais instável. Isso não poderia se manter bem a longo prazo. E então, no ano passado, tinha chegado o momento. Em março de 2020, o próximo colapso estava para acontecer.

Este colapso foi adiado, pela última vez, por uma demonstração final de força, ou seja, baixando as taxas de juros para zero e injetando trilhões em vez de bilhões. Mas isto criou uma situação qualitativamente nova.

Outro adiamento exigiria que as taxas de juros fossem cortadas em território negativo, destruindo assim a própria fundação do sistema bancário existente. Os bancos não podem viver com taxas de juros negativas a longo prazo. Isto significa que não haverá mais adiamento com os meios aplicados até agora.

Na situação atual, a maior quantidade que pode ser injetada no sistema é de trilhões e trilhões, mas com a consequência de que a inflação, que já está subindo acentuadamente, será alimentada e transformada em hiperinflação.

regime, Opinião: Crises de saúde, regimes autoritários e hiperinflação – o Grande Reset está chegando
Blackrock, a caixa preta e uma rocha na tempestade que ela criou. (Foto reprodução da internet)

A situação em que o complexo digital-financeiro se encontra é, portanto, a alternativa entre o colapso final, por um lado, e a hiperinflação, por outro. Ou seja, a completa desvalorização do dinheiro.

Isto significa que historicamente chegamos a um ponto em que o complexo digital-financeiro, dentro da estrutura do sistema existente, só tem a escolha entre duas formas diferentes de colapso. Então, o que fazer?

Obviamente, nesta situação, optou-se por um novo sistema e por uma estratégia dupla para instalá-lo.

DO CAOS TOTAL AO CONTROLE TOTAL

Por um lado, um novo sistema está sendo preparado em segundo plano, longe dos olhos do público. E por outro lado, ao mesmo tempo, eles estão usando a fase final do atual sistema moribundo para saqueá-lo com todos os expedientes disponíveis.

Isto é exatamente o que temos vivido desde março de 2020: a destruição deliberada e consciente da economia mundial com o único propósito de auto-enriquecimento pelo complexo financeiro digital com a preparação simultânea de um novo sistema pelos bancos centrais em cooperação com as corporações de T.I.

Como este novo sistema se apresenta, é algo que já sabemos. É a completa abolição do dinheiro em espécie e dos bancos em sua forma anterior e a introdução do dinheiro do banco central digital. O objetivo final é que cada um de nós tenha apenas uma conta, através da qual todas as transações acontecerão, e esta conta não será mais com um banco comercial, mas com o banco central.

O pano de fundo deste plano é lógico. O dinheiro digital do banco central é programável. E como os bancos centrais podem criar quantidades ilimitadas de dinheiro a partir do nada, seria de fato possível introduzir taxas de juros negativas desta forma sem destruir o sistema. Mas isso está longe de ser a única propriedade que o dinheiro do banco central digital possui.

Isso permitiria ao Estado monitorar todas as transações, atribuir-nos diferentes taxas de impostos e impor-nos penalidades individuais. O Estado poderia vincular parcialmente o dinheiro a uma data de vencimento e poderia nos forçar a gastar certas somas específicas dentro de certos períodos de tempo. Poderia também destinar o dinheiro e nos forçar a gastar determinadas quantias apenas em determinados bens ou em determinadas regiões.

Acima de tudo, porém, o Estado seria capaz de cortar cada um de nós de todos os fluxos de pagamento com um simples clique do mouse, eliminando-nos assim financeiramente. O dinheiro do banco central digital seria o mecanismo de controle social mais eficaz que já existiu na história da humanidade. Assim, seria nada mais e nada menos do que a conclusão de uma ditadura abrangente trazida pelo dinheiro.

No entanto, tudo isso tem um grande senão: a resistência esperada da população. É seguro assumir que uma grande parte do povo não aceitará esta forma de privação de direitos, o que significa que a introdução do dinheiro do banco central digital levaria a uma grande agitação social.

regime, Opinião: Crises de saúde, regimes autoritários e hiperinflação – o Grande Reset está chegando
É assim que o futuro será? (Foto reprodução da internet)

É precisamente este problema que obviamente deu ao complexo financeiro digital a ideia de reverter o processo de introdução deste dinheiro. Ou seja, não introduzir o dinheiro do banco central digital gradualmente e arriscar grande resistência, mas o contrário – em outras palavras, mergulhar a sociedade no caos para apresentar o dinheiro do banco central digital como a solução para todos os problemas, na forma de “renda básica universal”.

Para aqueles que pensam que esta é uma teoria da conspiração arrancada do nada, recomendo que olhem de perto o que experimentamos nos últimos 18 meses.

Sob o pretexto de combater uma doença, foram causados danos à saúde, econômicos e financeiros devastadores e irreparáveis. Só começamos a sentir o impacto total disto até o momento.

Ao mesmo tempo, no entanto, o trabalho está sendo feito dia após dia para aumentar este dano. Ao mesmo tempo, o fosso social é sistematicamente aprofundado ao se criar novas cunhas entre as pessoas. Tudo isso nos leva em apenas uma direção. A agitação social até a guerra civil. E isso em todo o mundo.

É precisamente este objetivo que está sendo buscado, de acordo com todas as informações de que disponho. Vivenciamos atualmente que sob o emprego de todos os meios concebíveis se tenta provocar o maior caos social possível e depois no ponto alto deste caos com uma panaceia com o nome de “renda básica universal” para surgir e desta forma converter o máximo caos em máximo controle.

A propósito, há também uma segunda razão pela qual a renda básica universal tem que vir do ponto de vista dos poderosos. Estamos no meio da quarta revolução industrial e, no período que se avizinha, veremos a perda de milhões e milhões de empregos através do uso da inteligência artificial.

Isso significa que milhões de consumidores serão eliminados. A demanda por bens de consumo cairá a um ritmo cada vez maior. E como o sistema econômico atual é orientado pelo consumo, é preciso quebrar esta espiral descendente para mantê-lo vivo. Isto só pode ser feito dando dinheiro para os consumidores desempregados.

Tudo o que experimentamos nos últimos 18 meses e tudo o que estamos experimentando atualmente está obviamente seguindo um plano. Este plano é desmantelar o sistema atual em favor da elite, criar o máximo caos econômico e social, e estabelecer um novo sistema sob o pretexto de fornecer ajuda humanitária.

FÓRUM ECONÔMICO MUNDIAL

Algumas indicações deste plano podem ser vistas nos dois livros – “A 4ª revolução industrial” e “O grande reset” – escritos pelo alemão Klaus Schwab, cujo Fórum Econômico Mundial (WEF) desempenha um papel fundamental em toda a agenda.

regime, Opinião: Crises de saúde, regimes autoritários e hiperinflação – o Grande Reset está chegando
Klaus Schwab (Foto reprodução da internet)

O WEF conseguiu nos últimos 50 anos se tornar um dos mais importantes centros de controle do complexo digital-financeiro. Inicialmente, ele colocou em rede os líderes empresariais, depois os políticos e, mais tarde, os profissionais da mídia, a alta nobreza e as celebridades; nos anos 90, ele os submeteu adicionalmente a um treinamento direcionado.

Sabemos hoje que desde 1992 os ‘Líderes Globais do Amanhã’ e desde 2005 os ‘Jovens Líderes Globais’ têm sido submetidos a um treinamento sistemático e cada vez mais profundo pelo WEF, e que eles são exatamente as pessoas que estão atualmente segurando as alavancas do poder.

Considere Bill Gates, Jeff Bezos, ou Jack Ma do setor de informática. Considere o chefe da Blackrock Larry Fink ou a chefe do FMI Kristalina Georgieva, do setor financeiro. Considere Emmanuel Macron, Sebastian Kurz, ou Angela Merkel do setor político. Todos eles ou foram treinados pelo WEF ou têm assento em seus órgãos governamentais.

No entanto, não são apenas os 1.300 membros desta elite de liderança fortemente ligada em rede que puxam os fios em todo o mundo. Desde 2012, a eles também se juntaram 10.000 pessoas com menos de 30 anos, os chamados “shapers globais”. Eles também foram reunidos pelo WEF e exerceram influência mo desenrolar mundial.

Quem quiser saber como poderia ser este curso, deve dar uma olhada nos trabalhos do fundador do WEF, Klaus Schwab. Além disso, mesmo que, neste ponto, você ainda não acredite que tudo o que estamos vivenciando e que já vivenciamos é um plano, você deveria dar uma olhada na data de publicação do “Great Reset” de Schwab.

O livro foi publicado em 9 de julho de 2020, menos de quatro meses após o confinamento global. Ele dá instruções precisas sobre como usar a Covid-19 para destruir criativamente o mundo, nas palavras de Schwab, e construir um novo mundo.

Junte-se a nós no Telegram: t.me/theriotimes

Check out our other content