Enfermeira da Louisiana denuncia: “Estamos sacrificando nossos filhos com medo de morrer de um vírus com uma taxa de sobrevivência de 99%”

“A partir de agora, temos mais crianças que morreram com a vacina da COVID do que da própria COVID. E então, para o Departamento de Saúde sair e dizer que a nova variante tem todos os efeitos colaterais das reações à vacina que estamos vendo agora."

, Enfermeira da Louisiana denuncia: “Estamos sacrificando nossos filhos com medo de morrer de um vírus com uma taxa de sobrevivência de 99%”

RIO DE JANEIRO, BRASIL – Collette Martin, uma enfermeira com dezessete anos de prática, falou em uma audiência de Saúde e Bem-Estar da Louisiana no início deste mês sobre o que ela viu no sistema hospitalar durante a pandemia da COVID.

Collette diz que ela e seus colegas testemunharam reações “aterrorizantes” às injeções da COVID, mas suas preocupações com as vacinas estão sendo ignoradas e descartadas.

Leia também: Confira nossa cobertura sobre informações alternativas em português

Collete continuou, dizendo que os bancos de dados de relatórios de lesões por vacinas, como o VAERS, são tão pouco usados que a maioria dos médicos e enfermeiras nem sabe que eles existem, muito menos como registrar um relatório.

“A maioria dos nossos enfermeiros, gerentes de enfermagem e alguns médicos nem mesmo sabem o que é VAERS. Falei com os nossos chefes de medicina e outros enfermeiros sobre o motivo pelo qual não estamos reportando ao VAERS, e a resposta mais comum é: “O que é VAERS?”

Como se já não bastasse, ela disse que nenhum dos hospitais está reportando dados, o que significa que mesmo se alguém estivesse investigando, não haveria dados para investigar.

“Não é só aqui onde trabalho. Eu conheço muitos enfermeiros, amigos e outros hospitais locais no sudeste da Louisiana que dizem a mesma coisa.”

No entanto, o que ela diz sobre os potenciais efeitos a longo prazo das vacinas é chocante.

“Não estamos vendo apenas reações agudas graves [de curto prazo] com esta vacina, mas não temos nenhuma ideia do que sejam quaisquer reações de longo prazo. Cânceres [doenças] autoimunes, infertilidade. Nós simplesmente não sabemos.”

“Estamos potencialmente sacrificando nossos filhos por medo de talvez morrer, adoecer de um vírus, um vírus com uma taxa de sobrevivência de 99%.”

Collete conclui dizendo que esses efeitos colaterais da vacina estão sendo encobertos como causados ​​pela nova variante.

“Até agora, temos mais crianças que morreram com a vacina da COVID do que da própria COVID. E então para o Departamento de Saúde sair e dizer que a nova variante tem todos os efeitos colaterais das reações à vacina que estamos vendo agora.

É enlouquecedor e não entendo por que mais pessoas não veem. Acho que sim, mas temem falar e, pior ainda, serem demitidos”.

DADOS DO VAERS CHOCANTES

Os dados VAERS divulgados em 17 de dezembro pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) incluíram um total de 965.843 notificações de eventos adversos em todas as faixas etárias após as vacinas COVID, incluindo 20.244 mortes e 155.506 lesões graves entre 14 de dezembro de 2020 e 10 de dezembro de 2021 .

Os dados do VAERS dos EUA para crianças de 5 a 11 anos mostram:

Uma morte ocorreu em uma menina de 11 anos da Geórgia vacinada em 14 de setembro antes do licenciamento da vacina COVID da Pfizer na faixa etária de 5 a 11 anos.

A segunda morte (VAERS ID 1890705) ocorreu em uma menina de 5 anos que morreu quatro dias após sua primeira injeção de Pfizer.

Com informações do COVID World

Junte-se a nós no Telegram: t.me/theriotimes